Carregando...
 

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Sara Nunes Giffoni - Uberlândia / MG


Desmentindo o estereótipo que o Tai Chi Chuan (TCC) é "coisa para idosos", os instrutores formados pela SBTCC possuem idade desde 20 até acima de 50 anos. Sendo que o interesse dos jovens entre 20 e 40 anos tem aumentado consideravelmente. 

As pesquisas do IBGE em 2009, informam que a expectativa de vida no Brasil chega aos 72,8 anos de idade. As pessoas tem dado muita importância à qualidade de vida. Pois não querem apenas viver mais, e sim, viver na plenitude e com qualidade. O TCC é um caminho que possibilita esse desejo de viver melhor. 

Baseado nessa procura, realizei uma enquete com instrutores e instrutores em formação, que estão espalhados pelo Brasil inteiro. O objetivo é divulgar o TCC aos interssados e simpatizantes, possivelmente tenha um instrutor na sua região. 
 
Sara Nunes Giffoni - Uberlândia / MG
 
1- Instrutor (à quantos anos) ou está em processo de formação?
R: Formada a 6 meses.

2- Por que você procurou o TCC? 
R: Sempre tive grande afinidade com a cultura oriental e assim como vontade de praticar alguma arte marcial como o Kung Fu, e por pensar que não tinha resistencia física para tal, procurei o Tai Chi para me adaptar durante algum tempo antes de começar com o Kung fu, porém depois de conheçer o Tai Chi Chuan me encantei com a arte, descobri ser uma arte marcial muito poderosa e acabou me preenchendo em outros aspectos que eu buscava em minha vida. Descobrir o Tai Chi Chuan como a arte em si em todos os seus aspectos foi uma grande surpresa e um grande tesouro para mim. Me dediquei a estudar e praticar e por indicação da minha Professora procurei o curso de instrutores e a Sociedade Brasileira de Tai Chi Chuan para me aprofundar e me capacitar a ensinar.   
 
3- Como tem sido o interesse pelas pessoas da sua região em relação ao TCC?
R: Em minha cidade existem poucos espaços que trabalham com o Tai Chi Chuan, sendo todos praticantes da forma oficial de pequim e exercícios isolados de Chi Kung, nenhuma escola ou instrutor em minha cidade foi formado conforme uma linhagem tradicional e um sistema de ensino estruturado. Até este ano apenas minha instrutora formada também na SBTCC, ensinava o estilo da familia Yang de Tai Chi, agora somos 4 instrutoras formadas em um grupo consolidado para a divulgação na cidade. 


O interesse é enorme, sendo frequentemente requisitado por empresas, instituições filosóficas, escolas etc, apresentações, oficinas e cursos. Porém como em todas as cidades, o Tai Chi Chuan ainda é seleto e pouco praticado, tendo em vista que são inúmeros os benefícios da prática, são exercício acessíveis a todos e não requer equipamentos ou espaço físico muito criterioso; penso que sua aceitação e divulgação deveriam ser maiores.

4- Qual o seu público alvo?
R: Pessoas de todas as idades, desde que não sofram de disfunções neurológicas.

5- Possui outro ofício além de ser instrutor? Qual?
R: 
Sim. Consultora Ambiental.

6- Como você vê o desenvolvimento do TCC no Brasil?
R: A grande maioria das pessoas seguem as tendências e modismos portanto como atividade física o Tai Chi Chuan, logo após um grande acontecimento como a abertura dos jogos Olimpicos em Pequim, foi bastante divulgado e despertou nas pessoas curiosidade e interesse pela prática, portanto foi um período em que a amplitude das praticas chinesas e orientais foi extendida. Ainda hoje é uma atividade mais popular nos grandes centros do sudeste, e instrutores formados de origem de outras partes do país tem um trabalho muito arduo em levar essa arte de cultura tão diferente da nossa, para a população que precisa e pode fazer um excelente uso do Tai Chi Chuan, construindo assim um trabalho de quebra de preconceitos e diversidade para aqueles que estão sempre em busca de qualidade de vida seja onde for.
 
7- Deixe uma mensagem para aqueles que desejam praticar  a arte, mas falta coragem ou iniciativa.
R: Definitivamente você poderá separar a história de sua vida em antes e depois de praticar Tai Chi Chuan.

E-mail: taichiudi@gmail.com


Sara Nunes Giffoni

0 comentários:

Postar um comentário